Observatório da Economia Criativa e do Turismo

DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E TURISMO

Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico e Turismo

O que é?

O Observatório da Economia Criativa e da Economia do Turismo do Estado de Alagoas (OBECT) é um serviço especializado de pesquisa que consiste no trabalho de obtenção, monitoramento, coleta, tratamento e interpretação de informações, dados e indicadores econômicos, turísticos, culturais e sociais acerca do estado de Alagoas. Tem como função coletar, tratar, produzir e interpretar dados e indicadores referentes à economia criativa e à economia do turismo em Alagoas, tais quais a composição do mercado de trabalho da economia criativa em Alagoas, o perfil das principais empresas, a média salarial dos trabalhadores e profissionais que atuam na economia criativa estadual, bem como a composição e o perfil do turista que visita Alagoas, as principais atividades características do turismo existentes em Alagoas (ACTs), o perfil das empresas de turismo que atuam no território alagoano, o perfil dos trabalhadores e profissionais do turismo, os destinos mais visitados, o fluxo de visitantes, a média de ocupação, a disponibilidade de leitos, assim como o valor adicionado pela economia criativa e pela economia do turismo ao Produto Interno Bruto (PIB) do estado de Alagoas.

Para que serve?

O OBECT é um instrumento que auxilia a gestão pública no processo de tomada de decisão e construção de políticas públicas direcionadas aos setores da economia criativa e da economia do turismo no estado de Alagoas. Por meio de informações, dados e indicadores, contribui com a gestão pública para aprimorar o processo de tomada de decisão. Desse modo, é uma ferramenta bastante relevante para a construção de políticas públicas que visam o desenvolvimento econômico, a sustentabilidade, a geração de trabalho, emprego e renda no estado de Alagoas por meio dos setores da economia criativa e da economia do turismo.

Missão e interlocução institucional

O OBECT é resultado de uma parceria institucional e acadêmica entre a Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo do Estado de Alagoas (Sedetur), a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Alagoas (Fapeal), o Instituto de Ciências Sociais e o programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de Alagoas (Ufal). Por meio do Programa de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento das Políticas Públicas em Áreas Estratégicas do Estado de Alagoas (PDPP), o OBECT visa contribuir com o desenvolvimento regional e local, por meio da geração de informações, dados e indicadores especializados.

A economia criativa e a economia do turismo

De acordo com a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), órgão do Sistema ONU, a economia criativa/indústrias criativas abarca todos os bens e serviços que usam a criatividade como recurso intelectual e insumo primário e imprescindível, abrigando setores como patrimônio cultural, artes, mídia, criações funcionais, novas mídias e conteúdos digitais.

A economia criativa é um dos setores mais dinâmicos e promissores das modernas economias globais. De acordo com a Conferência das Nações Unidas Para o Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD/ONU), a economia criativa representou, em 2013, entre 7% e 10% do Produto Interno Bruto (PIB) global. Diante das potencialidades criativas, culturais e empreendedoras da população brasileira, das suas empresas e, principalmente, diante da diversidade cultural existente no Brasil, a economia criativa se tornou um setor estratégico e muito promissor para o desenvolvimento econômico sustentável, capaz de elevar a competitividade das empresas brasileiras, produzir novas formas de inovação e geração de trabalho, emprego e renda. De acordo com a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (FIRJAN), o PIB da economia criativa/indústrias saiu de 2,56% para 2,64% entre 2013 e 2015, adicionando à economia brasileira o valor de R$ 155,6 bilhões.

Já a economia do turismo tornou-se um dos setores mais estratégicos para os países em desenvolvimento. No Brasil, especialmente no Nordeste, tornou-se um setor de grande interesse, de crescente investimento econômico, apresentando elevado potencial de geração de trabalho, emprego, renda, inclusão e desenvolvimento regional. De acordo com a Organização Mundial do Turismo (OMT), em 2017, o turismo movimentou US$ 7,6 trilhões, o que correspondeu a 10% da soma de toda a riqueza gerada em 2017 (10% do PIB global). O setor de turismo abriga ainda 292 milhões de empregos em todo o mundo, o que corresponde a um em cada dez empregos existentes no mundo. O crescimento do turismo em 2017 foi de 7% em relação ao ano anterior, de acordo com a OMT. No Brasil, em 2016, o turismo adicionou diretamente à economia brasileira US$ 56,8 bilhões (o equivalente a R$ 198,6 bilhões), o que corresponde a 3,2% do PIB brasileiro. De acordo com o Ministério do Turismo, somando a participação indireta do setor, a contribuição total alcançou o patamar de US$ 152,2 bilhões (cerca de R$ 532 bilhões), representando 8,5% do PIB brasileiro.

Em Alagoas, o turismo já se consolidou como um dos setores mais relevantes da economia do estado. Em 2017, desembarcaram no Aeroporto Internacional Zumbi dos Palmares 2,6 milhões de visitantes, um crescimento de 3,65% comparado com o ano anterior. Isolado e desagregado dos demais setores econômicos do Estado, o setor de turismo já é o segundo setor mais relevante para a economia de Alagoas. Embora não se tenha dados consolidados mais recentes, o Valor Adicionado à Produção (VAP) no setor de turismo correspondeu a 2,56% do PIB alagoano em 2010. Estima-se que esse mesmo indicador já corresponda a cerca de 4,5% do total gerado à economia alagoana em 2017. O VAP do turismo corresponde às atividades diretamente ligadas ao setor, como os serviços de hospedagem (hotéis, pousadas e outros), transporte, agência de viagens, alimentação (restaurantes, bares, etc.), diversão, entretenimento e cultura (casas de shows, bares, teatros, museus, sítios históricos, entre outros).